Little Things

cinyma:

- Would you think of me?
- For what?
- Well, if you don’t get to marry Mr. Bixler.
- I guess.

My Girl (1991)

free-gravity:

<3
Fotografias são memórias. Nelas retratamos momentos num clique que no final será guardado em álbuns de recordações, pregados em quadros nas paredes ou postados em álbuns virtuais. Elas são muito mais do que simples retratos numa estante de uma sala de estar: são provas de que temos a necessidade de imortalizar momentos. Ao abrir aquele baú de fotos guardado no sótão acumulando pó, não abrimos apenas recordações, mas reabrimos as portas do nosso passado, aquele mesmo que nos fez ser o que somos hoje. E, de foto em foto, ao observá-las entramos num mundo completamente nosso: o das lembranças. E nos damos conta de quanto somos moldados pelas mãos pesadas do tempo. O quanto o cotidiano e a rotina nos transformam, de grão em grão, de peça em peça, até virarmos o produto desta equação chamada vida. E então vemos que somos obrigados a ser bons na matéria de seguir em frente. Nos damos conta das pessoas que deixamos, das que não vemos mais, das que ficaram, das que não estão mais entre nós. E apesar e além de tudo ainda estamos aqui. Repletos de cicatrizes e feridas abertas, porém, seguimos em frente, não é? A fotografia nos ajuda a reparar nisso. Ela passeia pelas beiradas da nossa trajetória, testemunha o nosso nascimento, evidencia a nossa infância, atesta a nossa puberdade e é indispensável na nossa tão estimada formatura da faculdade. Ela nos faz mergulhar no nosso rio inquieto das lembranças, afoga-nos nas águas de saudade, desperta em nós o sabor da nostalgia e muitas vezes o desejo de voltar no tempo, de voltar a caber naquela roupa preferida durante a infância ou até mesmo de voltar a sentir o calor do abraço de alguém que já se foi. As fotografias são relatos. Recordações. Viagens pelos túneis da rememoração, da perda e da saudade. Fitá-las é retrilhar as nossas idas e vindas com os olhos lacrimejados e até mesmo com um certo aperto no peito. Ela registra a inocência presa no sorriso de uma criança inocente ao mesmo tempo que é capaz de expor o olhar triste de um adulto cansado de viver. É capaz de perpetuar os nossos melhores momentos, de levar-nos ao reencontro de nós mesmos ao expor-nos frente a frente com o passado. Fotografias são histórias reveladas. São as provas concretas de que estivemos e estamos aqui. De que fizemos parte deste mundo e de que já estivemos vivos e aptos a eternizar os momentos. Porque, no fundo, desejamos ser imortais.
Igor Salles (via eugostodemiojo)
futureoffilm:

Now at the Movies: Fully Reclining Seats
I used to imagine adventures for myself, I invented a life, so that I could at least exist somehow.
Fyodor Dostoyevsky, Notes from Underground (via bevare)
eugostodemiojo:

minuty:

animation by: minuty

-

"Music has always had a prominent part in all our products, from the early cartoon days. So much so, in fact, that I cannot think of the pictorial story without thinking about the complementary music which will fulfill it." - Walt Disney